Dilemas cabelísticos

Desde a criação desse blog nunca demorei tanto tempo para escrever e publicar um texto; esse aqui rendeu viu! Rendeu seis páginas no Word e tive que dividi-lo em cinco partes para publicar aqui no blog! #HajaAssunto kkkk.

Mas vamos combinar, se tratando de um assunto tão nosso não podia ser diferente "né" amiga? Afinal qual é a mulher que nunca passou por um dilema cabelístico na vida e não tenha pelo menos uma história pra contar sobre seu cabelo? 

Acredito que seja por isso que o texto rendeu tanto, a ponto de virar uma série dividida em cinco partes. E posso te garantir uma coisa, se fosse escrever todos os dilemas do meu cabelo, viraria um livro viu kkkk (até que não é má ideia).

Meu cabelo hoje não é daqueles que arranca suspiros do tipo "uau que cabelo lindo!" Mas também não é do tipo "vixe, que cabelo é esse­?!" Mas já foi assim e eu tive que aprender a cuidar dele para mudar essa condição.

- Uma das razões para eu gostar tanto de fotografia hoje em dia é porque fotos são registros da nossa vida – bons ou ruins. É uma pena ter descoberto isso depois que se passou muitos anos da minha vida e não tenha fotos dessa época para mostrar como era meu cabelo.

Aprendi a cuidar do meu cabelo não apenas por uma questão de economia, mas por que essa foi a melhor maneira de conhecer e lidar com meus fios - que são crespos - e consequentemente evitar aquilo que pode prejudica-los. Até descobri isso meu cabelo sofreu viu. 

Meus fios eram quebradiços e desvitalizados; até cresciam, mas não era um crescimento saudável. Era um cabelo cheio de pontas duplas ou “paridas” como chamamos aqui na Bahia e por isso mesmo optava por cortar. Nunca tive pena.

- Prefiro meu cabelo curto, mas com uma boa aparência, do que tê-lo comprido e cheio de pontas estragadas - além de ficar feio, só dá trabalho. E também ter um cabelo comprido é um “sonho” que nunca nutri. No máximo um tamanho médio.


Como se não bastassem as pontas duplas e ressecadas do meu cabelo, ele caiu algumas vezes, devido a combinação ou aplicação errada de alguns produtos. Você já ouviu falar em corte químico?
O nome corte químico é aplicado quando há conflito químico no interior do fio, ou seja, quando faz-se uso de duas ou mais químicas que não são compatíveis entre si.
É chamado de "Corte" pois o fio quebra exatamente na divisa da parte virgem com a parte química, toda parte química se torna frágil e o fio se rompe. 
A queda decorrente dessa quebra pode ser aos poucos, pedacinho a pedacinho ou a considerada mais grave, quando quebra imediatamente após o procedimento.
Quanto mais química houver no fio ou mais agressiva a química utilizada, maior a chance do corte químico ocorrer de forma avançada, queda de 60% a 100% dos fios, com grandes chances de ocorrer já no momento do enxague, após a aplicação da química. Fonte: Eu amo cabelo
Já tive experiências bem ruins por conta disso, mas a pior delas foi justamente próxima a uma data muito importante para mim, a data do meu casamento. Mas essa triste experiência vou contar no próximo post.

E você amiga, já passou ou está passando por algum dilema cabelístico? Me conta deixando um comentário ou enviando um e-mail através do formulário de contato que fica na parte de baixo aqui da página. 


E por falar em página, será uma imensa alegria saber que você curte minha página no Facebook viu. Acesse facebook.com/Tatianaumsimplesvaso 


Forte abraço!
Postar um comentário