Buáááá...Meu cabelo caiu!

A nossa auto estima pode estar lá no teto, mas tem coisas que acontecem que deixam qualquer mulher entristecida (pelo menos por alguns dias). Queda de cabelocorte químico certamente são algumas delas. 

Quem já teve seu cabelo torado, depois de fazer um alisamento ou aplicação de uma tintura, sabe bem o que estou falando. *Eu sei :(


Mas cá entre nós, tem horas que a gente abusa não é meninas? Alisamos, pintamos, fazemos progressiva, descolorimos, puxamos umas mechinhas...queremos fazer todo tipo de transformação no nosso cabelo e acabamos sobrecarregando os fios com muita química - às vezes num curto espaço de tempo. 

E como se não bastasse, sobrecarregarmos os nossos fios com tanta química, ainda cometemos um erro fatal: ESQUECEMOS DA HIDRATAÇÃO!!! 

Chega uma hora que o cabelo não aguenta, não é mesmo? Principalmente se ele for crespo.

Sabemos que existem muitas novidades e tendências para transformarmos o nosso visual, mas se tratando de químicas é preciso muita cautela, pois alguns produtos podem ser nocivos e colocar em risco a nossa saúde.


Não podemos nos deixar controlar pela insatisfação que temos com nossos cabelos - aquele velho dilema que todas nós já conhecemos: Se o cabelo é cacheado queremos liso, se é liso queremos cacheados ou mais claro ou mais escuro ou com mechas...enfim. 

Se nos deixarmos dominar por essa insatisfação - que é quase que exclusivamente feminina - podemos cometer verdadeiras loucuras na busca por um cabelo ideal e não vale a pena. Química é coisa séria!



Hoje eu tenho essa noção e não cometo mais loucuras com meu cabelo. Mas nem sempre foi assim. Já usei (e misturei) vários tipos de produtos para domar meus fios. Produtos a base de soda caustica, amônia, henê e até alisei a quente - alisamento feito com chapinha ou pente de ferro que vai no fogo (imagem). Será que ainda existe?!



Pois é, já fiz umas loucurinhas para domar a juba rsrsrsrsr e é claro que meu cabelo sofreu as consequências. E que consequências viu! Uma delas aconteceu quando ainda namorava com meu esposo. 

Na época eu estava usando henê e alisava a quente, mas aconselhada por uma cabeleireira passaria a usar Wellachic - para que meu cabelo não ficasse mais com cheiro de queimado cada vez que eu suasse ou pegasse uma chuvinha (era mesmo um horror kkkk)

Parei de espichar meu cabelo - apenas arrumava com uma escova modeladora, fiquei três meses sem usar o henê para poder aplicar o Wellachicconforme orientação da cabeleireira finalmente o dia de alisar meus fios chegou...

Que dia infeliz viu! Vou pular a parte da aplicação e vou direto para o lavatório, pois foi lá que meu cabelo começou a partir! 

Eu fiquei desesperada com a situação, pois era como se o fio do meu cabelo tivesse apodrecido. A cabeleireira aplicou o neutralizante, que não adiantou nada pois o estrago estava feito, depois colocou um creme para hidratar e me disse para eu ficar "tranquila" que ela iria fazer um tratamento para recuperar meu cabelo. Tinha um porém: faltava dois meses para o meu casamento!!! Buááá :(

Pra piorar a situação, no decorrer dos dias meu cabelo continuou partindo, principalmente na frente e também pelo meio. Meu cabelo era curto, mas bem feminino, como ficou cheio  de "buracos" pela cabeça eu não tive outra opção, a não ser deixar no estilo joãozinho ou seja, tive que passar a máquina cinco para igualar os fios!!! Buáááááá:( 

Chorei pitangas por conta dessa "tragédia" que aconteceu viu e usei muito sumo da folha de alumã e baba de babosa no couro cabeludo na esperança de recuperar rapidamente os fios e fazer com que eles crescessem um pouquinho para poder entrar na igreja. 

- Alumã e babosa ajudam a combater a queda e estimulam o crescimento, mas nesse caso eu precisava de um milagre!!! 

É claro que em dois meses meu cabelo não cresceria tanto e entrei na igreja com ele horrível e bem curtinho. Não dava nem para colocar um alongamento :(



Apesar de ter sido um dos dias mais felizes da minha vida, ainda hoje eu não gosto de ver as fotos do meu álbum de casamento - #traumatizei kkkkk. 

Se fosse hoje usaria uma tiara ao invés do véu - que não ficou legal com o cabelo curto, escolheria outro vestido mais “sequinho” enfim, mudaria algumas coisinhas, mas principalmente, não trocaria de química perto de uma data tão importante. 

Eu tinha de esperar no mínimo uns seis meses para fazer isso, ainda mais se tratando de henê e alisamento a quente. Mas nesse caso quem errou foi a cabeleireira, que não soube avaliar corretamente o meu cabelo e indicou um outro produto, que em contato com meus fios espichados provocou o corte químico.

Essa não foi a única vez que meus cabelos partiram ou caíram por causa de química, mas com certeza foi a pior experiência. (Graças a Deus casei com um homem maravilhoso que me ama pelo que sou e não por causa do meu cabelo). 
Hoje tenho muito cuidado com químicas e mesmo que seja indicada por uma cabeleireira, procuro informações a respeito do produto e principalmente, respeito o meu tipo de cabelo. Não dá pra fazer tudo em um cabelo crespo né? Ou melhor, até dá, mas o custo para manter um cabelo tratado quimicamente - bonito e saudável, é muito alto $$$$. 

Eu prefiro não abusar, pois não quero sofrer (não apenas por ter de raspar o cabelo novamente; meu couro cabeludo ficou todo ferido numa outra situação e não quero repetir a dose) e também não posso comprar todos os produtos ou fazer todos os tratamentos que gostaria para hidratar meu cabelo - isso seria uma pequena fortuna rsrsrsrs. 


Ainda bem que existe Bepantol, algumas hidratações nacionais que são legais e quebram o galho, máscaras caseiras que ajudam bastante e eu sei escovar meu cabelo e fazer minhas unhas. Quando preciso de uma boa linha de tratamento (Absolut Repair da L'Oréal ou Keracare da Avlon) entro num acordo com meu esposo e compro o kit com o dinheiro que economizo, arrumando meu cabelo e minha unha em casa. 

Mas isso é assunto para o próximo post - O terceiro da série Dilemas Cabelísticos. Não perca! 

P.S. É claro que eu também vou ao salão arrumar meu cabelo, principalmente quando minha raiz está "braba" rsrsrs.


1 comentário